O que começou como um produto popular, visto por muitos como um produto cafona, virou fashion em menos de quatro décadas. Essa é a história da Havaianas.

História
Tudo leva a crer que foi a Zori, sandália japonesa, a fonte de inspiração para a criação das sandálias havaianas em 14 de junho de 1962. Mas a versão nacional trazia um diferencial: eram feitas de borracha. Um produto natural, 100% nacional e que garantia calçados duráveis e confortáveis. Era tão simples a idéia da nova sandália que sua fama se espalhou feito rastilho de pólvora. Em menos de um ano, a São Paulo Alpargatas fabricava mais de mil pares por dia, o que levou ao aparecimento das imitações. A concorrência bem que tentou, mas não contava com a qualidade das “legítimas”, as únicas que “não deformam, não têm cheiro e não soltam as tiras”. Bonita e gostosa, a sandália havaianas se transformou num cult. Em uma marcha do Movimento dos Sem-Terra sobre Brasília, milhares de homens, mulheres e crianças cruzaram o país calçando sandálias havaianas. Na outra ponta, socialites, artistas, o Presidente da República, famosos pezinhos (e outros menos cotados) podem ser vistos dentro de coloridas havaianas. Sem dúvida é a sandália mais democrática que se tem notícia. Calça “do mais pobre ao mais rico” – como disse o escritor Jorge Amado, que não dispensa a calça jeans e um par de havaianas. Elas são a cara de pelo menos três gerações de brasileiros. Passaram pelo movimento hippie, pelos anos 70, 80 e 90. Em 1994 ganharam uma nova versão: as monocromáticas havaianas Top. Uma clara referência a seu posicionamento no mercado: um produto mais caro do que as tradicionais. Mídia e vips foram os primeiros a receber a novidade em mãos. Transformou-se em ícone, em objeto de desejo, em peça obrigatória. Segmentando seu mercado, a São Paulo Alpargatas criou uma versão para cada pé e cada gosto: as Tradicionais; a Top, as Havaianas Brasil, lançadas durante a Copa do Mundo de 98; a Surf; a Fashion; a Fashion Cristal; a Kids; a Clubes; a Floral; a Alamoana; a Milênio entre outros modelos que logo surgirão.

Na Fábrica de Havaianas em Campina Grande (PB), são fabricados cinco pares de sandálias havaianas por segundo, o que dá 105 milhões de pares em um ano. Desde o seu lançamento, 2,2 bilhões de pares foram fabricados e vendidos. E hoje se chega a uma constatação: a cada três brasileiros, dois em média consomem um par de havaianas por ano. A qualidade do produto, a estratégia de marketing e a campanha publicitária baseada em depoimentos – gente famosa usando havaianas – um antigo hábito da São Paulo Alpargatas, trouxeram vida para a tradicional sandália, ainda que ela dispensasse maiores apresentações. Quem primeiro apresentou o produto, por muitos anos, foi Chico Anysio com o slogan “Não deforma, não tem cheiro, não solta as tiras”. Na década de 90, voltou em um dos anúncios do lançamento das havaianas Top proclamando “Isso é amor antigo”. A simbiose entre o produto e o artista foi tão grande que houve um tempo em que se acreditava ser ele o dono da empresa. Saiu Chico Anysio e entrou Thereza Collor. “Todo mundo usa Havaianas” era o tema da campanha, que foi ao ar logo depois com o ator Luis Fernando Guimarães. Ele flagrava personalidades como Vera Fisher, Malu Mader, Bebeto e Maurício Mattar usando as sandálias. Na TV, a popularidade de Carolina Ferraz caiu ao tirar suas havaianas. Cristiana Oliveira ia tirando as peças de sua indumentária para descobrir o responsável pelos miligramas a mais que a balança, quebrada, não acusava. Em outro filme uma fã quase descobre Fábio Assunção disfarçado na praia através de suas sandálias. Pouco depois, um garoto beijava as sandálias de Rodrigo Santoro pensando serem de Luana Piovani, outro pedia as havaianas da Déborah Secco para fazer traves de gol. Marcos Palmeira, Raí, Popó, Luma de Oliveira e Reinaldo Gianechini também apareceram nas telinhas em divertidas situações relacionadas ao produto. Uma coisa é certa: objeto de desejo, as havaianas têm glamour, personalidade e estilo. Básicas, irresistíveis, imprescindíveis, elas serão eternas enquanto durarem.

Curiosidades
• 2 em cada 3 brasileiros compram uma Havainas nova por ano.
• 80 países dos cinco continentes (da França ao Japão, de Honduras ao Congo) vendem as sandálias.
• 2,2 bilhões de Havaianas foram vendidas desde 1962.
• 1 segundo é o tempo que leva para fazer cinco chinelos na fábrica da Alpargatas.

Alessandro Temperini (aletp)

Diretor de Criação, Blogueiro e Comerciante Virtual.

More Posts

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle Plus

 

  • Wanessa Areias

    BOA NOITE!
     
    GOSTARIA DE SABER MAIS INFORMAÇÕES SOBRE HAVAIANAS,PARA DESENVOLVER UM TRABALHO PARA FACULDADE;
     
    HISTÓTICOPRODUÇÃOPOSICIONAMENTO NO MERCADOPLANO ESTRATÉGICOPLANO MERCADOLÓGICOPÚBLICO ALVOVENDASAVALIAÇÃO DE RESULTADOSRAZÃO DE SERMISSAOVISSAOVALORES

    AGUARDAREI ALGUMA RESPOSTA
    OBRIGADAWanessa Areias Lopes